Agenda Cultural

Festival "Adoramos a nossa Gastronomia com Coca-Cola"

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
Festival "Adoramos a nossa Gastronomia com Coca-Cola"
17 a 19 novembro,  Jardins do Palácio de Cristal

festival_coca_cola

Promover a cozinha regional portuguesa é o objetivo da terceira edição do festival "Adoramos a nossa Gastronomia com Coca-Cola", agendado para os dias 17, 18 e 19 de novembro e que convida os portuenses a saborear 12 pratos típicos de 12 regiões portuguesas.
Além da componente gastronómica, o evento inclui também vários momentos de animação musical, com concertos ao vivo de Jorge Palma (sexta-feira, às 21h30), Rita Redshoes (sábado, às 14h30) e Mia Rose (domingo, às 14h30).
e-max.it: your social media marketing partner
 

Sugestões Casa da Música

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
casamusica_logo
cmusica_13
Fado à Mesa
Sexta, 17 novembro, 20h30, Restaurante | €35
Matilde Cid, Adriana Paquete e Diogo Aranha

Mensalmente, o Restaurante Casa da Música torna-se uma verdadeira Casa de Fados, em que o fado é “servido à mesa” por intérpretes de eleição, honrando a nossa melhor tradição, mas também a contemporaneidade da canção portuguesa por excelência.
O valor indicado inclui jantar.

cmusica_14To Be or Not to Britten
Sábado, 18 novembro, 16h, Sala 2 | €7,5
Mário João Alves texto original, direção artística e interpretação
Gabriel Santos, João Tiago Magalhães, Carolina Picas Magalhães, Meninos Cantores da Trofa e Cantores do Projeto Óperafita interpretação

Histórias dentro da história compõem esta ópera juvenil de tributo a Benjamin Britten. Num ensaio da emissão de “É ou Noé”, com música do célebre compositor britânico, telemóveis e afins desesperam o diretor É e o apresentador Noé. Fartos da desatenção dos cantores, resolvem simular um dilúvio que faça desaparecer os irritantes dispositivos móveis. Entre peripécias, o legado de Britten é a terra firme.

cmusica_15Sinfonia nº 2 de Sibelius
Sábado, 18 novembro, 18h, Sala Suggia | €16-€18
Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música
Baldur Brönnimann direção musical
Anssi Karttunen violoncelo
Pascal Dusapin Outscape, para violoncelo e orquestra
Jean Sibelius Sinfonia nº 2

17h15, Cibermúsica: Palestra pré-concerto por Rui Pereira

“Outscape é o caminho, ou a oportunidade de partir, de descobrir o próprio caminho. Adoro a palavra pois é fundamentalmente um resumo da minha própria história: partir noutra direção de forma a compreender e averiguar, e tentar ver e ouvir mais além”. O grande compositor francês Pascal Dusapin descreve desta forma o título deste seu segundo concerto para violoncelo onde o instrumento solista procura o caminho da orquestra e a orquestra o caminho do violoncelo. Descrito pelos seus intérpretes como um concerto simultaneamente romântico na expressão e muito atual no som, é apresentado pelo violoncelista finlandês Anssi Karttunen, um nome sobejamente conhecido do público da Casa da Música.
A Sinfonia nº 2 de Sibelius, a par do poema sinfónico Finlândia, permanece no repertório como a sua obra mais apreciada pelo grande público e o símbolo do seu grande sucesso internacional.

cmusica_16Alexander Romanovsky
Domingo, 19 novembro, 18h, Sala Suggia | €22-€24
Alexander Romanovsky piano
Robert Schumann Carnaval
Modest Mussorgski Quadros de uma exposição

O pianista ucraniano Alexander Romanovsky fez a sua estreia em Portugal em 2016, na Casa da Música, protagonizando um dos recitais mais aclamados de sempre do Ciclo de Piano. O seu regresso em 2017 é particularmente saudado pelas obras em programa, dois ciclos de pequenas peças que constituem obras-primas do repertório pianístico e que figuram entre as favoritas do grande público. Romanovsky foi o mais jovem vencedor de sempre do Concurso Internacional Busoni e é medalhado do Concurso Tchaikovski. Menino-prodígio, venceu o Concurso Krainev com apenas 11 anos de idade e recebeu a Medalha de Honra da Sociedade Filarmónica de Bolonha aos 15 anos, algo apenas alcançado por Mozart e Rossini. Hoje em dia é artista exclusivo da editora Decca e apresenta-se regularmente com as grandes orquestras mundiais.
e-max.it: your social media marketing partner

The End | Marengo + Ou um quase-poema, Teatro Municipal Campo Alegre

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
teatro_camp_alegreThe End
17 novembro, 21h30 | 18 novembro, 19h, Teatro Municipal Campo Alegre

“The End” é um espetáculo que se debruça sobre as temáticas da identidade e das fronteiras entre público e privado, ficção e realidade.
Este será um espetáculo que mistura a imagem-vídeo e a performance ao vivo, explorando os limites artísticos e as fronteiras conceptuais entre teatro e cinema, e entre ficção e realidade. Para este projeto, os criadores da Estrutura (Cátia Pinheiro e José Nunes) convidaram o artista e cineasta André Godinho para partilhar a criação do espetáculo. O processo criativo do espetáculo terá um momento de partilha com o exterior, através da realização de um laboratório de Criação e Interpretação, que terá lugar no Porto, em setembro de 2017.

Criação Cátia Pinheiro, José Nunes (Estrutura) e André Godinho
Vídeo André Godinho
Interpretação Ana Tang, Cátia Pinheiro, José Nunes e Tiago Jácome
Conceção plástica Cátia Pinheiro
Figurinos Jordann Santos
Som Vasco Rodrigues
Colaboração técnica e plástica António MV e Daniel Worm d’Assumpção
Assistência Tiago Jácome
Fotografia e vídeo de divulgação António MV
Produção Natasha Bulha Costa
Coprodução Estrutura, Teatro Municipal do Porto, Festival Temps d’Images Lisboa / Teatro da Trindade Inatel

teatro_camp_alegre2Marengo + Ou um quase-poema. [Fragmentos]
18 novembro, 21h30, Teatro Municipal Campo Alegre

Marengo
A peça usa como território a mente dela. Constrói-se através dos fluxos racionais do seu pensamento e das abstrações relacionadas com os seus medos e desejos. “Strawberries, cherries and an angel’s kiss in Spring / My summer wine is really made from all these things". Ana Isabel Castro

Criação e coreografia Ana Isabel Castro
Música original Gonçalo da Silva Nova
Intérpretes Ana Isabel Castro, Gonçalo da Silva Nova, Renato Cruz Santos
Concepção de figurinos Paula Silva
Design gráfico Paulo Mariz
Vídeo António Barroso e Pedro Terror

Ou um quase-poema. [Fragmentos]
Este espetáculo resulta de uma reflexão acerca da interrupção como estímulo para a composição. Dissimulada de visitante, a interrupção surge-nos sob a forma de vazio, de parêntesis, obstáculo, medo, entre, morte, interrogação. Trata-se de construir através da ruptura, de continuar através da quebra, assumindo a interrupção como pertença à composição, ao corpo, ao indivíduo.  Carminda e Maria Soares

Interpretação Carminda e Maria R. Soares
e-max.it: your social media marketing partner

Os 39 Degraus, 17 a 26 nov | O Estúpido Ao Vivo com Daniel Carapeto, 17 nov, Teatro Sá da Bandeira

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
teatro_sa_band6Os 39 Degraus
17 a 26 novembro, sexta e sábado 21h39 | domingo 18h, Teatro Sá da Bandeira

Quando um ilustre e bem parecido gentleman inglês é procurado por um crime que não cometeu e se vê enredado numa teia de espiões, isto significa que estamos perante “Os 39 Degraus”. Uma peça que leva ao palco quatro corajosos atores que, sozinhos, desempenham mais de 100 personagens, num dos mais brilhantes espetáculos da Broadway e de West End. O resultado é uma comédia a alta velocidade que tem intriga, espionagem, aventura, heróis, vilões, romance e muitas gargalhadas!

Encenação Cláudio Hochman | com Rita Pereira, João Didelet, Martinho Silva e Pedro Pernas

teatro_sa_band2
O Estúpido Ao Vivo com Daniel Carapeto

17 novembro, 22h, Teatro Sá da Bandeira

“O Estúpido Ao Vivo” é o primeiro solo de stand-up comedy de Daniel Carapeto, também conhecido como O Estúpido.
Aqui, o comediante divaga sobre temas tão diversos como os seus avós, carros elétricos, religião, as carreiras de Inspetor Max e Capitão Iglo ou mesmo as suas primeiras aparições televisivas, no longínquo ano de 1999.
Com as suas habituais one-liners, falta de sensibilidade e falta de vergonha na cara, Daniel acredita que os limites do humor tendem para mais infinito e jura que nunca mais escreverá textos em que se refere a si mesmo na 3ª pessoa.

HMB | Alphaville in Concert, Coliseu do Porto

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
coliseu_17HMB - Primeira Década
17 novembro, 22h

Dez anos depois da sua fundação, os HMB preparam dois grandes concertos de celebração, o primeiro no dia 17 de novembro no Coliseu Porto.
Formados em 2007, os HMB lançaram até à data três álbuns e foram responsáveis por alguns dos maiores sucessos de rádio dos últimos anos. Fizeram tour’s por Portugal, ilhas, África e Ásia e este ano venceram o Globo de Ouro para melhor música com “O Amor é assim”.
A energia e boa disposição dos HMB fazem de cada concerto um momento único de comunhão e alegria partilhada por um público de todas as idades.
Há adolescentes, jovens adultos, pais e filhos e uma a mensagem de amor transversal a todos.
Neste concerto, os HMB prometem tocar os seus maiores sucessos - "Dia D", "Naptel XUlima", "Feeling", “Peito, "O amor é assim” (e tantos, tantos outros) - e muitas e boas surpresas.

coliseu_18Alphaville in Concert
18 novembro, 21h30

Um dos grupos mais populares nos anos 80 regressa este ano a Portugal. Os alemães Alphaville, que em 1984 explodiram em todo o mundo com “Big In Japan”,“Forever Young” e “Sounds Like A Melody”, vão trazer ao Coliseu do Porto a festa de dança e luz que carateriza os seus concertos.
O grupo de Marion Gold tornou-se parte da iconografia dos anos 80 logo com o álbum de estreia “Forever Young” e os três singles que foram Top 20 em vários países. O segredo foi a fusão perfeita da faceta “crooner” de Bryan Ferry, a riqueza “pop” das canções dos Roxy Music e as batidas eletrónicas dos compatriotas Kraftwerk, as principais influências dos fundadores Marion Gold e Bernard Lloyd, assíduos frequentadores e participantes do coletivo multimedia berlinense Nelson Community. O resultado foram canções épicas, fáceis de cantar e dançar, que invadiram as rádios e as pistas de dança de todo o mundo e puseram os Alphaville no circuito das grandes digressões mundiais de música eletrónica ao lado e outros bastiões dos anos 80 como Dépèche Mode, Human League ou Ultravox.

coliseu_1Les Ballets Trockadero de Monte Carlo
22 novembro, 21h30

A mais fascinante companhia de bailado do mundo está de regresso a Portugal com um novo espetáculo.
Composta só por homens, os “Trocks” aliam a mestria da dança com o humor, fazendo o público esquecer que só há homens em cima do palco aos... primeiros minutos.
Les Trocks, nome carinhoso pelo qual é conhecida esta companhia, nasceu há 42 anos, off-broadway, e rapidamente conquistou a ribalta com a apurada técnica e graciosidade de movimentos dos seus bailarinos. No seu repertório estão os clássicos mas também originais, e dançar “em pontas” não assusta!
e-max.it: your social media marketing partner

Pág. 1 de 7

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária