Exposições no Centro Português de Fotografia

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
cpfExposição “Rituais do Ver”, de Fátima Carvalho
18 novembro* a 18 março 2018, Centro Português de Fotografia
© Fátima Carvalho

“Esta mostra revela um dos temas mais atuais da fotografia de hoje. Ao fixar o comportamento do público frente a uma oferta institucional, em locais específicos da circulação da cultura, insere-nos num dos problemas a resolver pela sociedade contemporânea, a procura da identidade pessoal.
Fátima Carvalho conhece bem o ato de fotografar, sabe insinuar distâncias, ponto de vista, enquadramentos do todo ou das partes e, acima de tudo, o milésimo de segundo do corte, o momento em que se encena a magia de um diálogo com a obra. E, bem o sabemos, a imagem fotográfica vale mais pelo seu polo poético do que uma qualquer estética.
O que vemos são situações que significam comportamentos do corpo, inconscientes ou reprogramados pelo social: a atenção que exige um endurecimento do tronco e uma breve orientação do olhar, a entrega pela sedução, - os braços caídos e a imponderabilidade física -, a surpresa incontrolada, a pesquisa partilhada pelo grupo, enfim, situações onde invariáveis ou invariáveis do comportamento se revelam com toda a clareza nestas imagens aparentemente limpas e claras. (…)
Traduzir a sedução pode ser, e é-o nos ‘Rituais do Ver’, uma outra sedução. Em fotografia implica mostrar significados sem perder a magia dos significantes, da indeterminação que abre todas as janelas do sentir.
Fátima Carvalho diz-nos que os rituais do ver são universais mas também diferentes em cada um, mas a poética que os revela é só mesmo sua.“ Maria do Carmo Serén

* Inauguração às 16h

cpf_2Exposição “Ilha”, de Paulo Pimenta
25 novembro* a 25 março 2018, Centro Português de Fotografia

© Paulo Pimenta

“O que é uma Ilha?
O que é estar dentro e estar fora de uma Ilha? Como é viver num espaço onde as janelas se abrem para muros e as vidas se tecem em arquipélagos de corredores estreitos? Que memórias perduram inscritas nas pessoas e nas paredes das casas? Onde nos cruzamos nesta cidade feita de Ilhas – Casas e Ilhas – Pessoas?
Ao longo de dois anos, foi desenvolvido um trabalho de criação artística com a comunidade do Bonfim, envolvendo um grupo intergeracional a partir destas interrogações em que a fotografia e as artes performativas se complementaram e contagiaram mutuamente.
Esta exposição é o resultado deste processo que se organiza em três abordagens paralelas: a primeira apresenta um retrato da vivência humana, urbana e orgânica de um conjunto de ilhas e do espaço envolvente com uma proximidade emocional e documental apoiada na recolha de histórias e memórias dos seus ilhéus; a segunda, integra o trabalho desenvolvido por crianças e seniores numa experiência de descoberta da fotografia analógica e de descoberta da ilha / lugar individual e do espaço que este ocupa na cidade de todos; a terceira abordagem condensa o registo global do projeto nomeadamente o processo de criação desenvolvido pela PELE e do qual resultou o espetáculo CAL assim como de todo o processo de pesquisa, discussão e reflexão com os grupos envolvidos no projeto.”

* Inauguração às 16h

cpf_4Exposição "the portuguese prison photo"
Até 3 dezembro, Centro Português de Fotografia

B3 Inmate in a living room, 2016, Estabelecimento Prisional de Viseu © Luis Barbosa

Quem é que já viu uma prisão do lado de dentro? Foi este o desafio lançado pelo projeto “the portuguese prison photo” no sentido de transmitir uma visão das prisões contemporâneas e históricas de Portugal.
O resultado do projeto apresenta 150 fotografias contemporâneas, captadas por dois fotógrafos, o português Luis Barbosa e o suíço Peter M. Schulthess, em 2016/2017. As suas abordagens complementares são acrescidas de imagens históricas pertencentes aos arquivos nacionais.
Iniciada por Daniel Fink, a ideia de uma exposição de fotografia juntou fotógrafos portugueses e suíços, a direção do CPF e investigadores das Universidades do Porto e Lausanne num projeto de cooperação único. Os fotógrafos foram autorizados pela Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais a entrar em seis prisões no Norte de Portugal e numa em Lisboa, em 2016 e no início de 2017. Maria José Moutinho, professora da Universidade do Porto, realizou a investigação nos arquivos nacionais e selecionou, entre várias centenas de fotografias, imagens documentais, algumas delas particularmente impressivas.
“A exposição dos dois fotógrafos oferece uma visão cruzada das prisões de Portugal, desde as maiores às mais pequenas, de prisões que remontam a 1880 às inauguradas em 2014, de prisões masculinas femininas até às prisões destinadas aos jovens. As imagens mostram as condições de vida, mas, se por um lado Luís Barbosa procura apresentar o ponto de vista dos detidos, privilegiando o ambiente em fotografias a preto e branco, Peter Schulthess documenta as prisões de um ponto de vista mais institucional, usando para isso uma câmara de alta resolução e cor para revelar os mínimos pormenores”.

Horário: 3ª a 6ª - 10h às 12h30 | 14h às 18h
Sábados, domingos e feriados - 15h às 19h
Entrada Livre

cpfentradaCentro Português de Fotografia/ Direção-Geral de Arquivos
Edifício da Cadeia da Relação do Porto
Campo Mártires da Liberdade - Porto
Telf: 222 076 310 | Fax 222 076 311
www.cpf.pt
e-max.it: your social media marketing partner
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária