Crónicas

Sorte ou azar? Eis a razão de ser de sete superstições

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
gatoÉ supersticioso e não sabe explicar a razão que o faz acreditar em certas crenças enraizadas na nossa sociedade?
Quando se trata de sorte ou azar muitas são as superstições que, consciente ou até inconscientemente, praticamos no nosso dia a dia, mas sabe de onde surgiu a ideia de que cruzar os dedos dá boa sorte ou que os gatos pretos são sinal de mau prenúncio?
O site Bustle compilou as mais variadas superstições e, asseguramos, apesar de parecem práticas sem sentido, todas elas têm uma razão de ser e não são propriamente uma invenção nossa.
Explicamos-lhe sete (e o número sete não é aqui ao acaso, claro. Dizem que é um número de sorte, será?).
Encontrar um gato preto dá azar e é sinal de mau prenúncio. De acordo com o Live Science, a crença de que os gatos pretos davam azar começou no século XVII. O rei Carlos I de Inglaterra tinha um gato preto.
 

Esclerose tuberosa: diagnóstico precisa-se!

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
miguel_leaoDia Internacional de Consciencialização para a Esclerose Tuberosa assinala-se a 15 de maio

A esclerose tuberosa (ET) é uma doença genética resultante de mutações do ADN que podem envolver dois genes (TSC1 e TSC2). As manifestações clínicas são muito variáveis, mas podem atingir qualquer órgão ou sistema. Os achados mais comuns são a ocorrência de tumores benignos na pele, cérebro, rins, pulmões e coração que condicionam a função dos órgãos atingidos. Os estudos recentes estimam que existam cerca de 1600 doentes com esclerose tuberosa em Portugal. É uma doença genética autossómica dominante, com expressão clínica variável, mas com penetração completa que pode ser causada por mutações num dos dois genes: TSC1 e TSC2.

Doença autossómica dominante significa, em termos práticos, que o risco de um doente com ET ter um filho com a mesma doença é de 50%. Penetração completa significa que sempre que um doente apresenta uma mutação num dos genes (TSC1 ou TSC2) irá apresentar sinais e sintomas da doença, apesar de estes poderem ser muito diversos (expressão clínica variável).

U.Porto na elite mundial da Economia e Gestão

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
up_economiaA Universidade do Porto colocou 22 mestrados e pós-graduações – repartidos pela Faculdade de Economia (FEP) e pela Porto Business School – na edição 2016/2017  do Eduniversal Best Masters Ranking, sendo a universidade portuguesa com mais cursos na lista que reúne, anualmente, os melhores programas de formação do mundo nas áreas da economia e da gestão.

No que toca à Faculdade de Economia, que regista o melhor desempenho de sempre no ranking, o grande destaque vai para o Mestrado em Gestão Comercial, que entra diretamente para a 10.ª posição a nível mundial na categoria Retail Sales Management. Nota também para o Mestrado em Finanças e Fiscalidade, que volta a integrar o “top 20” mundial (20.ª posição) na categoria de Taxation, confirmando-se pelo quinto ano consecutivo como o melhor programa a nível nacional naquela categoria.

The Gift: Houve "festa" na Casa da Música

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
The_Gift_600Esta segunda-feira o serão na Casa da Música não poderia ter sido melhor. Sónia Tavares e companhia proporcionaram momentos mágicos. De que banda falamos? Dos The Gift, claro!
"Altar", o mais recente álbum destes senhores foi o mote para o tremendo concerto que assistimos, a convite da MTV, na Casa da Música.
Mas, atenção, que houve tempo para os clássicos. "Driving you slow" foi um deles. Canção ainda bem melódica e capaz de movimentar o pé mais teimoso.
"Podem dançar, se quiserem," lançou o desafio Sónia Tavares. O público alinhou nestas palavras simpáticas e contagiantes, deixando-se envolver pela verdadeira explosão de cores e sentimentos.
Mas voltemos ao novo disco.  "Altar", que não é nada mais nada menos que "um sonho tornado realidade", um projeto de vida agora materializado.

É mais fácil fazer dieta na primavera e verão?

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
dietaNão gostamos propriamente da palavra "dieta", apesar de sabermos que está nas “bocas do mundo”.
A palavra dieta só nos provoca emoções e pensamentos negativos. Ao pensarmos nesta palavra, somos transportados para dias difíceis, para momentos em que comemos aquilo que não nos apetece, em falhas, desistência e, simultaneamente, frustração e desânimo.
Portanto, antes de tudo, deixemos a palavra dieta e pensemos em equilíbrio alimentar ou em estilo de vida. Será mais fácil então ter um estilo de vida mais saudável e equilibrado na primavera ou verão?
A resposta parece-nos clara: sim, é mais fácil.
Começamos por vos falar em termos emocionais e psicológicos. É sabido que as mudanças sazonais afetam o nosso humor, principalmente no outono/inverno, com a falta de exposição à luz solar e com alterações hormonais e de neurotransmissores. Por esse motivo, nessa altura do ano, pode haver um aumento de produção dos níveis de melatonina (hormona que regula os ciclos de sono-vigília) e diminuição da serotonina. Quando uma pessoa está num contexto de vida mais difícil ou quando tem já uma tendência para estados de humor mais negativos, esta altura do ano pode ser mais tendenciosa para alterações de humor (mais negativas).
Portanto, a boa notícia é que como estamos a entrar no tempo da luz solar e dos dias mais compridos, esta tendência negativa de humor tenderá a alterar-se, devido ao aumento da produção de serotonina.

Pág. 1 de 24

Faixa publicitária
Faixa publicitária