Alergias infantis: cuidados a ter na Primavera

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
alergias_infantisCom a Primavera chegam dias mais compridos e luminosos. As alergias, típicas desta época, são o lado menos bom da estação, e também afetam os mais pequenos. Saiba quais as alergias infantis mais comuns e como pode preveni-las, com os esclarecimentos de Alice Coimbra Peixoto, imunoalergologista do Hospital da Luz.

Sendo um período em que muitas espécies de plantas entram na fase de floração, a Primavera está associada à sensibilização a pólenes, nomeadamente pólenes de gramíneas. Alice Coimbra Peixoto aponta as doenças respiratórias tais como a rinite e a asma como as alergias infantis comuns nesta altura. “Contudo, a sensibilização mais frequente é aos ácaros do pó de casa”, diz a imunoalergologista do Hospital da Luz - Clínica do Porto.
De acordo com a especialista, as principais manifestações de alergia variam consoante a idade da criança e os alergénios envolvidos. “Habitualmente a primeira manifestação alérgica é o eczema atópico, que pode aparecer logo no primeiro ano de vida, muitas vezes relacionado com a sensibilização a alimentos ou aeroalergénios tais como os ácaros. Depois, podem aparecer as alergias respiratórias (asma e rinite) que frequentemente estão associados à sensibilização a alergénios domésticos, particularmente os ácaros mas também aos grãos de pólen das gramíneas e ervas daninhas”, refere a médica, que aponta ainda a alergia ao pêlo dos animais como uma das mais frequentes nos primeiros anos de vida.

Saiba prevenir
Se é verdade que não é possível eliminar todos os pólenes da atmosfera, a boa notícia é que há medidas que, de acordo com Alice Coimbra Peixoto, “parecem proteger e minimizar os sintomas”. A saber:
- Consultar o Boletim Polínico: conhecer os boletins de polinização (www.spaic.pt) e estar atento à divulgação nos media das concentrações dos pólenes no ar ambiente.
- Evitar áreas de elevada polinização.
- Programar as férias escolhendo a época e local de modo a evitar o contacto com um pólen específico a que a criança seja alérgica.
- Evitar atividades ao ar livre quando as concentrações polínicas forem elevadas, especialmente de manhã cedo. Passeios no jardim, campismo ou desportos ao ar livre aumentam a exposição aos pólenes.
- Fechar as janelas: sempre que viajar de carro tenha as janelas fechadas. Assim poderá passear reduzindo significativamente o contacto com os pólenes. Em casa, deverá manter as janelas fechadas quando as concentrações dos pólenes forem elevadas.
- Usar óculos escuros: a utilização de óculos escuros fora de casa é uma forma eficaz de evitar queixas oculares.
A especialista recorda que “as doenças alérgicas, nomeadamente a asma, parecem ocorrer mais frequentemente em certas famílias”. Assim, a imunoalergologista dá também algumas dicas para os pais seguirem em casa, de modo a atrasar ou diminuir o aparecimento de alergias nos filhos.
- Evitar a acumulação de ácaros no quarto da criança: mobiliário simples e roupa de cama facilmente lavável em água quente são essenciais. Devem ser evitados tapetes, alcatifas e reposteiros pesados, peluches e muitos brinquedos acumulados no quarto e nas camas. E a humidade relativa do quarto deve ser reduzida abaixo do 50%.
- Nos primeiros anos de vida, procurar não ter animais domésticos dentro de casa, especialmente no quarto de dormir.
- Evitar o fumo do tabaco durante a gravidez: o risco de asma está aumentado nos filhos de mães fumadoras. Igualmente, a exposição passiva ao fumo de tabaco dentro de casa aumenta o risco de asma e outras doenças respiratórias nas crianças.

Uma criança alérgica nem sempre é um adulto alérgico

A medicação é, para Alice Coimbra Peixoto, a forma mais eficaz de combater os sintomas de alergia, que indica ainda a realização de vacinas anti-alérgicas como sendo uma forma de prevenção.
Para os pais que, apesar de todos os cuidados, vêem os filhos debater-se com crises de alergia a cada nova Primavera, a boa notícia é que este cenário pode não ser para sempre, já que algumas alergias tendem a melhorar com a idade. “O eczema atópico tende a melhorar com a idade, e asma e a rinite também se podem controlar com o tratamento”, afirma Alice Coimbra Peixoto, que aponta ainda as alergias alimentares ao ovo e ao leite de vaca como manifestações que podem desaparecer na idade adulta.

(Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare)
e-max.it: your social media marketing partner

Comentar

Código de segurança
Actualizar

Faixa publicitária
Faixa publicitária