É mais fácil fazer dieta na primavera e verão?

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
dietaNão gostamos propriamente da palavra "dieta", apesar de sabermos que está nas “bocas do mundo”.
A palavra dieta só nos provoca emoções e pensamentos negativos. Ao pensarmos nesta palavra, somos transportados para dias difíceis, para momentos em que comemos aquilo que não nos apetece, em falhas, desistência e, simultaneamente, frustração e desânimo.
Portanto, antes de tudo, deixemos a palavra dieta e pensemos em equilíbrio alimentar ou em estilo de vida. Será mais fácil então ter um estilo de vida mais saudável e equilibrado na primavera ou verão?
A resposta parece-nos clara: sim, é mais fácil.
Começamos por vos falar em termos emocionais e psicológicos. É sabido que as mudanças sazonais afetam o nosso humor, principalmente no outono/inverno, com a falta de exposição à luz solar e com alterações hormonais e de neurotransmissores. Por esse motivo, nessa altura do ano, pode haver um aumento de produção dos níveis de melatonina (hormona que regula os ciclos de sono-vigília) e diminuição da serotonina. Quando uma pessoa está num contexto de vida mais difícil ou quando tem já uma tendência para estados de humor mais negativos, esta altura do ano pode ser mais tendenciosa para alterações de humor (mais negativas).
Portanto, a boa notícia é que como estamos a entrar no tempo da luz solar e dos dias mais compridos, esta tendência negativa de humor tenderá a alterar-se, devido ao aumento da produção de serotonina.
Assim sendo, estamos mais disponíveis emocionalmente para fazermos aquilo que outrora nos leva a arranjar desculpas e mais desculpas. Estamos mais disponíveis emocionalmente para nos sentirmos melhor connosco próprios e, é tempo disso mesmo. O verão está à porta, os dias mais quentes que nos fazem vestir menos roupa também e, portanto, temos de elevar a nossa auto estima.
É frequente, nesta altura do ano, termos pessoas a quererem emagrecer porque não conseguem ir à praia. Durante todo o ano não conseguem olhar-se no espelho, mas é nesta altura que decidem procurar ajuda. Estas questões emocionais ligadas à auto estima, ajudam certamente na motivação para a perca de peso.
Assim que o sol espreita é mais fácil e entusiasmante adotar hábitos alimentares que beneficiam uma alimentação mais natural e pouco processada. São muitas as razões bioquímicas e metabólicas, devidas à exposição solar e de claridade, que aumentam o nosso bem estar, que libertam hormonas de saciedade, auto estima, de concretização e de força de vontade.
Para além disso, sabemos que a Vitamina D é totalmente antidepressiva. O povo da América Latina é muito feliz, estão constantemente ao sol. Já os nórdicos são dos povos mais depressivos, devido à ausência de Vitamina D. Sabia que há países onde as pessoas que estão deprimidas antes de procurarem a ajuda de um psicólogo ou psiquiatra tomam primeiro que tudo Vitamina D? Para melhorarem o estado de humor… Caso isso não aconteça é que recorrem à medicina.
Em termos nutricionais, notamos que é bem mais fácil orientar e reeducar o paciente nos meses mais quentes. As razões pessoais, faladas anteriormente, como a roupa mais leve, os decotes, os calções… o biquíni, promovem uma força motivacional incomparável com o que assiste de inverno.
A disponibilidade para as saladas, vegetais (coloridos, grelhados, salteados), batidos, detox está à flor da pele! É também por esta razão que numa Consulta de Nutrição, para alguns casos em particular, convém reconhecer os meios que dispomos e os objetivos que se podem atingir.
E os meios que dispomos são emocionais, físicos e pessoais (profissão e atividade física) e os objetivos que se podem atingir. É importante personalizar o mais possível o plano alimentar ao indivíduo e é por esta razão que não se devem comparar resultados, uma vez que pessoas "alegres e felizes" com atividade física, com exposição solar, conseguem adotar uma alimentação mais interessante do ponto de vista nutricional e calórico, e por esta razão os resultados relativamente à gestão de peso são mais satisfatórios, do que os resultados visualizados em indivíduos com profissões com elevado stress, sem atividade física e sem exposição solar, onde os resultados observados são mais modestos, porém satisfatórios atendendo a todas as particularidades do estilo de vida do indivíduo.
Depois temos sempre de falar dos alimentos. É mais fácil uma pessoa comer alimentos menos calóricos na altura da Primavera/Verão, do que nos meses mais frios, em que a tendência são os alimentos mais açucarados e mais reconfortantes para a mente. Comer uma salada, beber mais água e chás frios sem açúcar e comer mais fruta é, certamente, uma opção mais fácil nos meses mais quentes e, por isso, também uma forma de se perder peso mais facilmente (estamos a falar de forma generalizada).
Além disso, as caminhadas na praia, as caminhadas ao fim de tarde porque está bom tempo e os dias são maiores e as atividades que nos fazem mexer mais também ajudam a um processo de emagrecimento mais “fácil”.
Portanto, esta é a altura ideal para pensar em si e, sobretudo, para pensar em mudar! Reprograme a sua mente para emagrecer, procurando ajuda de um psicólogo; e saiba o que comer, quando comer e como comer, procurando a ajuda de um nutricionista.

(Nuno Noronha // Peso e Nutrição - Um artigo da nutricionista Ana Filipa Baião e da psicóloga Mafalda Leitão)

Comentar

Código de segurança
Actualizar

Faixa publicitária
Faixa publicitária