Porto: um roteiro da cidade

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
ruas_portoA jornalista gastronómica brasileira Nillena Gomes, natural do Recife, apaixonada pelo Porto sobre o qual escreve frequentemente para os seus leitores brasileiros, descreve o Porto como uma cidade bem pequena e que dá para explorar praticamente tudo a pé. Num adorável sotaque brasileiro faz um roteiro de dois ou três dias, suficientes para conhecer os pontos mais importantes. Se for visitar Serralves, prefira guardar um dia a mais, pelo menos um turno e meio para isso. É lindo, vale demais esticar por lá. O mesmo para Matosinhos, a prainha daqui.

Passeie pelas ruas e sobrados
O centro histórico do Porto, há 20 anos, é património mundial pela Unesco. As casas são tombadas e tiveram a fachada preservada por todos esses anos. Circular pelas ruelas dá uma sensação gostosa de se estar caminhando pelo passado.

Caminhe pela Ribeira, se acomode num restaurante e curta a vista
São inúmeras as boas opções de restaurantes e cafés à beira do Rio Douro, que corta a cidade. As alternativas, claro, são bastante turísticas e os preços seguem no mesmo caminho, mas – aqui corro o risco de ser piegas – o prazer de ficar observando os barcos, a ponte D. Luís e as caves de vinho do Porto ao longe não tem dinheiro que pague.

Atravesse a ponte D. Luís por cima
Você vai ter a chance de ver uma das perspetivas mais incríveis da cidade. Lá do topo é possível observar as duas margens do Rio Douro, a do Porto e a de Gaia.

caves_vinho_portoEm Gaia, visite uma cave de vinho do Porto
O vinho do Porto é produzido a partir das uvas plantadas na região do Douro, por onde passa o rio de mesmo nome. É uma bebida adocicada, acrescida de destilado. É bastante alcoólica e saborosa, perfeita para finalizar uma refeição. As caves, tradicionalmente, são os locais onde o líquido é envelhecido e engarrafado. Elas estão abertas para visitação e, claro, degustação. Conheci a Graham’s e curti a lot. O roteiro pelo lugar é cutinho, mas os vinhos são incríveis – fui embora semi-bêbada. A entrada mais barata custa 12 euros.

Circule pelos Aliados
É a principal avenida do Porto, onde fica a câmara municipal. A via é ladeada por vários restaurantes bacanas e cafés. O Guarany merece uma visita só pela idade: ele é de 1933! Pertinho também tem a Rua das Flores, cheia de bistrôs, e a lindíssima estação São Bento. É tudo muito pertinho, dá pra ir caminhando tranquilamente.

Suba os 225 degraus da Torre dos Clérigos
A torre, de 1763, é um dos símbolos do Porto. Ela, que é uma continuação da Igreja dos Clérigos, foi projetada pelo arquiteto italiano Nicolau Nasoni, figura super importante para a região. Ele foi o responsável por quase todos os monumentos barrocos da cidade. O moço tinha talento. Se você não perdeu o fôlego na subida, no alto da Torre ele vai embora de vez com a vista em 360 graus. Aconselho pegar o pôr do sol. De chorar.

Conheça a Livraria Lello
A Lello e Irmão (coladinha com os Clérigos) ficou popularmente conhecida como a livraria do Harry Potter porque, dizem por aí, a autora da saga do bruxo teria se inspirado no local para criar a do livro. A teoria faz muito sentido, já que J.K Rowling morou no Porto (ela foi casada com um jornalista daqui) e o espaço parece mesmo uma coisa de filme. A biblioteca é de 1903 e vale demais a visita. A entrada custa €5,50 e o ideal é que seja comprada online, com antecedência, porque a Lello costuma lotar.

eclair_leitariaComa um éclair na Leitaria da Quinta do Paço
Diferente de outras cidades portuguesas, o Porto não tem tradição em doçaria conventual, aquela baseada em ovos e açúcar. Mas, quem liga quando ali do lado tem um dos éclairs mais maravilhosos da existência humana? A Leitaria é de 1920 e, como o nome entrega, é especialista em leite. Além de produzirem a própria manteiga, também fazem o chantilly SENSACIONAL – gordo, cremoso, suculento – que recheia a maioria das bombas. Sou viciada. Fica pertinho dos Clérigos e da Lello.

Ande pelo Bolhão, Café Majestic e Rua de Santa Catarina
A Santa Catarina é a rua pra comprar. Tem várias lojas e muita opção para comer também. Por lá, você encontra uma boa concentração de vendedores de castanha portuguesa feita na brasa, além do Majestic, um dos 10 cafés mais bonitos do mundo. É caro, viu? Já aviso. Mas é ponto obrigatório pra quem curte esses cantinhos charmosos. A região do Bolhão fica uma rua ao lado e é abarrotada de mercearias tradicionais.

serralvesCom tempo, ganhe uma tarde em Serralves
A Fundação Serralves integra natureza, arte contemporânea e arquitetura. Por lá, podemos ver exposições no museu, como a recente de Joan Miró, e do lado de fora, em meio ao verde. É um lugar realmente bonito, com laguinhos, animais e cultura pra ficar mais esperto. Coisa para um dia inteiro, com direito a piquenique.

Pegue uma prainha em Matosinhos
Nem só de rio vive a cidade do Porto. Por aqui também tem praia que, mesmo no inverno, é bem bonita. A orla é extensa e nela existem restaurantes, um forte, um terminal marítimo todo moderno e arte. É um passeio bem delícia. A forma mais comum de chegar é pegando um ônibus nos Aliados. Como o mar fica um pouco afastado do centro histórico, uns 40 minutos, tire uma tarde pra isso.

Não vá embora sem comer uma francesinha
Francesinha é VIDA! A sanduíche, típica do Porto, é uma adaptação do croque monsieur francês, daí a alcunha. Foi criada nos anos de 1960 e vende em toda esquina. É a comida de rua daqui. Na montagem: pão de forma quentinho e crocrante, recheado com embutidos portugueses e lâminas de carne. Queijo derretido cobre tudo. Por cima, molho secreto picante com mais de 15 ingredientes, entre eles tomate e cerveja. Pode vir com ovo e batata frita. De Deus, adeus.
e-max.it: your social media marketing partner

Comentar

Código de segurança
Actualizar

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária