Inaugurado alargamento da A1 em Gaia

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
a1Com um investimento de 29,8 milhões de euros, foi inaugurado esta sexta-feira o alargamento do sublanço da autoestrada A1 Carvalhos-Santo Ovídeo, em Vila Nova de Gaia, abolindo assim um "muro" dentro do concelho e melhorando o acesso ao Porto.

De acordo com a concessionária Brisa, o alargamento daquele lanço de autoestrada de 2x2 para 3x3 vias visa responder ao crescimento do tráfego no acesso ao Porto através da Ponte da Arrábida.
"Esta é uma obra que muda o paradigma da mobilidade em Vila Nova de Gaia. Transforma aquilo que era uma barreira na vida de um concelho numa oportunidade de maior coesão territorial. E ao tornar Gaia mais acessível no quadro da Área Metropolitana e no quadro do país, torna o território mais atrativo como plataforma de desenvolvimento social e desenvolvimento económico", disse o primeiro-ministro António Costa, que presidiu à inauguração da obra.
Já o presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, sublinhou que este alargamento "não é apenas mais uma obra de betão", considerando a requalificação "estruturante" da A1 como o fim de um "muro".
"A A1 significa para Vila Nova de Gaia, historicamente, uma fronteira entre a malha urbana e o resto do concelho", disse o autarca.
Paralelamente mas integrada no mesmo projeto, a Câmara de Gaia criou novas acessibilidades nomeadamente aos Carvalhos, através de uma derivação que permite acesso ao centro mas também ao quartel dos bombeiros locais, e uma rotunda em continuidade com a de Santo Ovídio, a qual se chamará rotunda do Atlântico.
Eduardo Vítor Rodrigues adiantou que a nova rotunda é o ponto de partida da Avenida do Atlântico, que já tem construído cerca de um quilómetro na zona Madalena, e que espera que esta artéria seja "o grande nó viário de ligação à zona das praias, retirando o trânsito do miolo das freguesias".
"É um investimento que fazemos convictos que é o grande desatar de nó quer nos Carvalhos, quer em Santo Ovídio", disse à agência Lusa o autarca, revelando que a obra custou mais de um milhão de euros.
De acordo com a informação da Brisa, a concessionária investiu nos últimos dez anos 166 milhões de euros no Grande Porto, 146 em alargamento do número de vias, nove milhões em beneficiação de pavimentos, seis em equipamentos e cinco em proteção ambiental.