Porto Blues Fest

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
shirley_king“Vamos falar de Blues com Shirley King”

Está a chegar o Porto Blues Fest que promete e adivinha momentos memoráveis. Mas antes das duas grandes noites, há uma conversa que promete abrir ainda mais os apetites.”Vamos falar de Blues com Shirley King” é conduzido por Budda Guedes e Álvaro Costa, num momento aberto a todos os interessados. É já no dia 24 de maio às 18h30 no Hotel NH Collection Porto, na Praça da Batalha.

“O blues é o pai, o tio, o avô e o primo de todos os estilos”. Está dado o mote para a conversa com a filha de BB King, numa sessão que será conduzida pelo apresentador de tv e rádio Álvaro Costa e pelo músico e produtor Budda Guedes, autor de “Vamos falar de Blues”, o projeto de difusão do estilo musical em Portugal e nos países lusófonos.
A conversa com Shirley King surge para “quebrar barreiras e conhecê-la melhor, até porque a artista adora a proximidade com o público”, refere Adalberto Ribeiro, da organização do Porto Blues Fest.
“A Shirley tem o ADN do blues e toda a vivência. É uma senhora Grande, Negra, de Chicago e filha do maior ícone do género. Podemos esperar muitas histórias na primeira pessoa e um verdadeiro entendimento do que é o blues americano”, explica à VIVA! Budda Guedes.

budda_guedesBudda Guedes: “percebi que afinal o blues sempre havia feito parte da minha vida”
“A minha vida musical consciente começou com o disco ‘Nevermind’ dos Nirvana. Assim que ouvi aquele poder decidi que era aquilo que queria ser: músico. Por causa dos Nirvana consumi muitas das outras bandas de grunge contemporâneas (Pearl Jam, Soundgarden e Stone Temple Pilots, principalmente). Meses depois conheci Red Hot Chili Peppers e devorei o disco ‘Blood Sugar Sex Magic’ (até hoje o meu disco favorito de todos os tempos)”.
“Um dia um grande amigo (Rui Rodrigues) emprestou-me um disco do Hendrix chamado ‘Blues’. Trata-se de uma compilação de Blues gravados ao longo da sua curta vida. Esse CD trazia um livro super completo cheio de fotos de Bluesmans e com uma análise super detalhada de cada tema comparando-o com os clássicos do género”, conta, entusiasmado, o músico.
“Aí fiz a viagem até ao início do século XX descobrindo todos os grandes pelo caminho (BB King, Albert King Albert Collins, Robert Johnson, Big Mama Thornton, Muddy Watters, Howlin' Wolf, etc). Depois de toda esta aprendizagem percebi que afinal o Blues sempre havia feito parte da minha vida. Desde os Dire Straits, aos Led Zeppelin, do Jimi Hendrix ao James Brown, dos Red Hot aos Deep Purple, dos Rolling Stones ao Carlos Santana, do Eric Clapton aos Beatles, todos eles foram buscar coisas ao Blues”.
“Sempre que pego numa guitarra toco algo bluesy. É inevitável”, acrescenta.

julian_urdockBudda Guedes e o programa “Vamos falar de Blues”
“Como acredito que todos temos o dever de contribuir socialmente, o programa ‘Vamos Falar de Blues’ surge como uma forma de contribuir para a difusão do blues em Portugal e porque não nos restantes países lusófonos”.
“Para além disso criei um programa de Youtube chamado ‘Doctor Guitar’ onde semanalmente dou dicas sobre guitarra. O programa é em inglês para que seja universal e é outra forma de retribuir todo o conhecimento que me foi passado ao longo destes anos”, explica.
Com tamanha dedicação e profissionalismo os resultados falam por si. “Compor, gravar, misturar e produzir um disco de Budda Power Blues com a incrível Maria João foi, sem dúvida, um ponto alto da minha carreira, pois sou fã do trabalho da Maria João desde que me conheço como músico e nunca me passou pela cabeça poder vir a partilhar o palco com ela. Ser escolhido como diretor musical e os Budda Power Blues como banda europeia de Shirley King é também um grande orgulho. Ter vencido o 1º European Blues Challenge em Portugal é também muito gratificante. Ter feito a primeira parte dos AC/DC em Alvalade foi também uma experiência incrível a todos os níveis”, relembra.
No entanto, o ponto mais alto de toda a sua carreira, diz, são os inúmeros grandes amigos que faz graças à sua música.  

rui_veloso_shirley_kingO evento
A organização de eventos com blues na alma não é inédita. “Nós já produzimos outros eventos como o ‘Matosinhos em Jazz’”, diz Adalberto Ribeiro, programador do Porto Blues Fest.
“Surgiu agora a oportunidade de estabelecer mais um feliz encontro entre o blues e a invicta. Contamos com o apoio da Porto Lazer e estamos prontos para o Porto Blues Fest. O evento traz, através da força dos blues, a raiz de um povo, isto pela ‘facilidade de entrar na alma’”.
O concerto que juntará Rui Veloso à filha de BB King será o grande destaque do evento, agendado para os dias 26 e 27 de maio, nos jardins do Palácio de Cristal.
B.B. King, que partiu a 14 de maio de 2015, chamava a Rui Veloso “My Portuguese Son”. Rui Veloso foi o único músico português que alguma vez dividiu o palco com o maior Bluesman de todos os tempos. O concerto que junta estes “dois filhos do blues” começa às 22h de 27 de maio, sábado.
Mas há mais (boas) novidades.
A primeira noite do festival, sexta, 26 de maio, começa às 22h com Delta Blues Riders, banda inspirada pelo delta do Mississipi e a estrada interstate 55 que une Nova Orleães a Chicago.
Depois é a vez da guitarra e a voz do britânico Julian Burdock se juntar à harmónica do espanhol Danny Del Toro.
O concerto de Julian Burdock e Danny Del Toro é um “caldeirão” de diversidade musical, repleto de influências e estilos, desde os bottleneck Blues ao funk, incluindo algumas composições originais.
“Com as atuações que proporcionamos no cartaz pretendemos um alinhamento eclético, sempre orientado pela qualidade. Se com os Delta Blues Riders temos um blues mais elétrico, com Julian Burdock e Danny Del Toro temos um blues mais de raiz”, explica Adalberto Ribeiro.
De referir ainda que o evento conta com a participação de uma figura incontornável da cultura portuguesa, Álvaro Costa. O “bom rapaz” da Antena 3 será o apresentador e dj de serviço da primeira edição do Porto Blues Fest.
“O Álvaro é o autêntico ‘bluesman, blueslover’. Não podíamos organizar este evento sem este importante divulgador musical”, sustenta Adalberto Ribeiro.

porto_blues_festAs atividades paralelas
O Porto Blues Fest apresenta ainda workshops de guitarra e de harmónica. As formações serão conduzidas por Julian Burdock e Danny Del Toro, dois dos músicos que integram o cartaz do festival.
Na sexta-feira, dia 26, Julian Burdock dirige um workshop de guitarra no clube de jazz e blues Hotfive, entre as 10h30 e as 12h. No sábado, no mesmo local e à mesma hora, é a vez de Danny Del Toro conduzir um workshop de harmónica.
Cada uma das formações apresenta um custo de 20 euros para o público em geral e 10 euros para participantes que tenham bilhete para o Porto Blues Fest.
Os interessados em participar devem, até 24 de maio, enviar um email, com nome e número de telemóvel, para Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar , indicando a qual dos workshops pretendem assistir.
Os bilhetes para o Porto Blues Fest, que está integrado na programação de comemoração do São João, poderão ser adquiridos online e nos postos habituais de venda. O bilhete tem um valor único de 25 euros para os dois dias do festival.
“Vamos proporcionar ao Porto uma ‘oferta da música do povo’, trazendo, naturalmente, maior proximidade”, promete Adalberto Ribeiro.
“Por outro lado, captamos outro público, oriundo de países onde o blues está mais enraizado. O Porto hoje em dia está na moda, sendo este evento uma forma de projetar ainda mais a invicta”, acrescenta.
“O blues é música para as pessoas. É para ser tocada e ouvida ao vivo. O Porto Blues Fest vai passar a ser uma referência do género em todo o país, e a cidade já merecia algo desta relevância”, refere Budda Guedes.
“Fico muito contente por fazer parte da primeira edição”, remata o músico e produtor.
Já está na manga a segunda edição, cujas datas serão anunciadas brevemente.
Faixa publicitária
Faixa publicitária