Faixa publicitária

Iconic Bowie

david_bowie_terry_o_neilFotografia, música e cinema numa homenagem a David Bowie

É fã de David Bowie? Sabe de cor todas as suas músicas e letras? Tem playlists especiais onde só as suas obras têm direito a entrar? Então temos boas notícias para si…

É que a exposição “Iconic Bowie” está a chegar a Portugal. E vem acompanhada de um ciclo de cinema, atuações musicais e ainda do lançamento especial de um livro/catálogo das fotos da exposição e merchandising.

David Bowie desapareceu em janeiro de 2016, e a poucos meses de se assinalarem os três anos da sua morte, o ArrábidaShopping recebe, a partir de 5 de setembro, uma mostra com fotografias do músico, produtor, performer, ator, intelectual, pintor, homem da moda - um camaleão que se reinventou ao longo de meio século.

A influência de David Bowie é única, musical e socialmente. Como escreveu o biógrafo David Buckley, "ele penetrou e modificou mais vidas do que qualquer outra figura comparável." De facto, grande é sua influência no mundo da música entre artistas e bandas mais antigas e a nova geração e, além de ter auxiliado movimentos como a libertação gay e a recriação de uma nova juventude independente, introduziu novos modos de se vestir na cena musical e tem uma carreira prestigiada no cinema.

De nome completo David Robert Jones, nasceu em 8 de janeiro de 1947, em Londres, e faleceu, a 10 de janeiro de 2016, com 69 anos, em Manhattan, Nova Iorque.

david_bowie_gerald_fearnlyApresentada pela primeira vez em Portugal, “Iconic Bowie” percorre mais de 40 anos de carreira e vida de David Bowie, desde o retrato do jovem artista de Gerald Fearnley para o seu álbum de estreia, passando pelos anos de Thin White Duke, Ziggy Stardust e Diamond Dogs com Terry O’Neill, até ao seu vigésimo segundo álbum de estúdio com o registo fotográfico de Markus Klinko em Nova Iorque, em 2002.

“A exposição não é apenas uma extraordinária homenagem ao músico considerado um dos génios da história da música do século XX, mas retrata de forma pungente e através do trabalho de seis fotógrafos de topo a essência da sua vida e carreira musical. Uma jornada de experimentação incessante e incrível versatilidade, a interminável reinvenção de Bowie e a sua quebra de fronteiras entre os estilos musicais”, refere a curadora Cristina Carrillo de Albornoz Fisac.

A mostra é composta por 40 fotografias de Terry O’Neill, Markus Klinko, Norman Parkinson, Justin de Villeneuve, Milton H. Greene e Gerald Fearnley, autores de imagens que se tornaram verdadeiras lendas da iconografia ligada ao cinema, à moda e à música.

david_bowie_norman_parkinson2Norman Parkinson foi o fotógrafo de moda mais célebre do séc. XX e pioneiro em criar uma narrativa fotográfica, ao contrário da rigidez e formalidade dos seus antecessores. As suas fotografias criaram a era das supermodelos e fizeram dele o preferido de celebridades, artistas, presidentes, primeiros-ministros, bem como da família real britânica, em público e em privado. É o caso de Audrey Hepburn, The Beatles, Twiggy, Grace Coddington, David Bowie, Iman, Jerry Hall e muitos outros, ao longo de uma carreira que durou 70 anos, até ao seu desaparecimento, em 1990.

Terry O’Neill é um dos fotógrafos mais colecionados do mundo, com trabalhos em galerias de arte e coleções privadas em todo o mundo. Durante mais de 60 anos fotografou inúmeras celebridades da música, cinema, moda e personalidades políticas, desde Winston Churchil a Nelson Mandela, de Frank Sintra e Elvis Presley a Rolling Stones a David Bowie e Amy Winhouse ou de Audrey Hepburn e Brigitte Bardot a Nicole Kidman, passando por todos os atores que interpretaram o papel de James Bond (007), entre outros. As suas fotos estão em inúmeras capas de álbuns históricos do rock, capas de revistas ou posters de filmes.

Markus Klinko começou por fotografar concertos e projetos ligados à música e passou para a área da moda, desenvolvendo projetos editoriais e campanhas de publicidade para reconhecidas marcas de cosméticos. Beyoncé, Lady Gaga, Kanye West, Naomi Campbell, Iman e David Bowie, entre muitos outros, foram alvos da sua objetiva. É também colaborador de publicações como New York Times, Vanity Fair, Harper’s Bazaar, Interview, Vogue e GQ, entre outras.

Justin de Villeneuve é um fotógrafo, produtor e empresário que influenciou a moda e a cultura nos anos 60 do swinging. Como fotógrafo, Justin fotografou muitos ícones dos anos 60 e 70, incluindo o retrato clássico de David Bowie com Twiggy para o álbum “Pin-Ups”.

Milton H. Greene é um dos fotógrafos mais celebrados do mundo. O seu trabalho nos anos 50 e 60 apareceu em revistas como a Life, Look, Harper’s Bazaar, Town & Country e Vogue. O trabalho mais notável de Greene é com Marilyn Monroe. Conheceram-se em 1953 e, no fim da sua relação de trabalho de quatro anos, ficou a notável coleção de 50 sessões diferentes, produzindo mais de três mil fotografias únicas.

david_bowie3_terry_o_neilGerald Fearnley conheceu David Bowie através do seu irmão, que era baixista da banda de apoio de Bowie. É autor das fotografias do álbum de estreia do músico (lançado em 1969) e nesta exposição apresenta raras fotos de David Bowie quando tinha 20 anos e que foram conhecidas apenas recentemente.

Todas as fotografias que vão estar em exposição pertencem ao acervo da Iconic Images, uma das maiores agências de gestão de arquivos fotográficos no mundo.  “Iconic Bowie” conta com curadoria de David Fonseca - músico e fotógrafo -  e Cristina Carrillo de Albornoz Fisac - crítica de arte, autora de livros e curadora que trabalha com a Iconic Images.

Durante os dois meses da exposição “Iconic Bowie” estão previstos vários momentos de programação paralela, cuja direção artística é também da responsabilidade de David Fonseca: um ciclo de cinema nas salas UCI Arrábida com estreia inédita em Portugal, em sala, do documentário “David Bowie: The Last Five Years”, a par de outros títulos a anunciar; atuações musicais que trará alguns artistas convidados para interpretarem músicas de David Bowie em versões minimalistas e o lançamento especial de livro/catálogo das fotos da exposição e merchandising.

david_bowie2_terry_o_neilDe recordar que David Fonseca editou, em 2017, "Bowie 70", álbum que junta 13 versões assinadas pelo próprio David Fonseca e 12 vozes portuguesas para as cantar, entre elas Camané, António Zambujo, Márcia, Ana Moura ou Tiago Bettencourt.

“No ano em que David Bowie celebraria 71 anos, reunimos, nesta exposição, algumas das suas fotografias, emblemáticas e algumas inéditas em Portugal, numa iniciativa que julgamos ser uma justa homenagem a David Bowie”, considera Paulo Valentim, diretor do ArrábidaShopping.

“Concilia, para além da fotografia, música e cinema, através da programação completa que terá lugar, no ArrábidaShopping, durante os dois meses de exposição, e que serão, certamente do agrado de diversos públicos.

“Iconic Bowie” tem entrada gratuita e pode ser visitada, de 5 de setembro a 4 de novembro, de domingo a quinta-feira, das 9h às 23h e à sexta-feira e sábado das 9h às 24h.

Tome nota:

05.09 | 04.11.2018

Entrada gratuita

Horário:

Domingo a quinta-feira: 9h às 23h

Sexta-feira e sábado: 9h às 24h

e-max.it: your social media marketing partner
Faixa publicitária
Faixa publicitária