Faixa publicitária

Dicionário tripeiro para principiantes

dicionario_tripeiroO Porto está na moda! São cada vez mais os turistas – e não só - que se deixam deslumbrar pela cidade e ficam rendidos à típica pronúncia do Norte. Trocar os “v” pelos “b” já é uma tradição, mas as peculiaridades nortenhas não ficam por aqui.

Por isso, se não é do Norte e não sabe o que é ser “lorpa”, não tenha “bergonha” de o admitir. Leia o dicionário tripeiro para iniciantes e garantimos-lhe que “vai ficar fino como um alho”.

Aloquete - Cadeado

Amassos - Troca de carícias

Andar à gosma - Viver à custa dos outros. É típico do moina, indivíduo malandro, “que não faz nenhum”

Apanhador - Pá para o lixo

Azeiteiro - Rufia, malandro, chulo

Badalhoca - Porca, desmazelada, prostituta; tasca no Porto, com afamadas sandes de presunto

Barona - Beata, ponta do cigarro

Benha - Diz-se repetidas vezes, e é o grito de guerra dos arrumadores de carros para assinalar um lugar vago entre muitos outros disponíveis. É um «beinha» que prosaicamente significa «venha»

Besuntas - Mulher muito gorda

Bisga - Escarro

Bitaites - Palpites. Popularizado por Hernâni Gonçalves, antigo elemento da equipa técnica do FC Porto, mais conhecido por “professor bitaites”

Botar - Pôr, deitar

Breca - Cãibra

Bufar - Soprar

Cabeça de giz - Polícia sinaleiro, controlador de trânsito. Muito típico entre taxistas: “‘Tás a dormir, ó cabeça de giz?!”

Cachaço - Bofetada no pescoço

Canalha - Grupo de crianças

Carago - Na verdade é caraças o que mais se utiliza para referir de forma metafórica o órgão sexual masculino

Chá de bico - Clister

Chaço - Carro velho, antigo.

Chotegane - Arma

Chuço – Guarda chuva

Cimbalino - Café expresso. Derivação da marca italiana de máquinas de café La Cimbali

Coiras - Chatas, más. Também se usa o “coirão” como referência a indivíduo reles com cabedal de respeito

Conduto - Prato de comida principal

Cor de burro quando foge - Diz-se quando não se sabe a cor de algo

Croque - Pequeno murro na cabeça com os nós dos dedos

Cruzeta - Cabide. Também usado para definir um indivíduo frágil, fraco de carnes. “O gajo parece uma cruzeta”

Dar corda aos vitorinos - Correr

Dar de frosques - Fugir

Deu-lhe a filoxera -Desmaiou

Dobradiças - Joelhos

Dói-me o garfeiro todo - Doem-me os dentes

Encher a mula - Comer muito

Enchousadela - Bater, tareia

Engrupir - Enganar. “É grupe” quer dizer “a mim não me enganas”

Estapor - Estupor, mau, cruel

Estar de beiços - estar amuado

Estar de gesso - Diz-se de alguém que não trabalha

Estar com os vitorinos encharcados - Estar bêbado

Esticou o pernil - Morreu

Estrugido - Ter uma amante, situação duvidosa. “O gajo arranjou cá um estrugido”

Falar para a central - Falar sem ser ouvido ou ouvir sem prestar atenção. Expressão que sucedeu à famosa “Estás a falar para a Sacor”

Faneca - Mulher bonita, formosa

Fisgar - O mesmo que “engatar”

Foguete - Buraco nas meias (collants)

Foi fazer tijolos - Morreu

Foi medir caixotes - Morreu

Fronha - Cara feia

Gangada - Seita, grupo de rapazes, normalmente organizado

Guna - Ranhoso; Rapaz ou rapariga de origem social baixa, de bairro problemático, que usa roupas de marca, por vezes brincos e boné de pala virado ao contrário

Ir de saco - Ser preso

Jeco - Cão

Laurear - Passear. “Anda a laurear” é usado, depreciativamente, em relação a casos de vaidade exagerada ou referentes a quem não tem preocupações de maior

Lavagice - Porcaria, mistura de comida

Lázaro - Idoso, asilado

Lontra - Pessoa obesa, gorda. Também se diz “comer que nem uma lontra”

Mamona - Pessoa interesseira

Mandar uma traulitada - Dar um murro

Mânfio - Sabidola, astuto

Manguela - Malandro, indivíduo preguiçoso

Martelar - Fazer sexo

Matrona - Mulher desmazelada

Mijão - Sortudo

Moina - Polícia

Molete - Pão, carcaça

Mor - Termo utilizado pelas vendedeiras. Abreviatura de «amor»; forma carinhosa de chamar o cliente

Morcão - Estúpido, lorpa

Narizinho de cheiro - Diz-se de alguém que se ofende facilmente

Negócio das carnes - Andar na prostituição

Ouras (ter) - Ficar atordoado, enjoado

Paiva - Cigarro de substância ilegal

Paleógrafo - Conversa fiada. “Gajo cheio de paleógrafo”

Pandeireta - Mulher velha

Passar a ferro - Possuir sexualmente; atropelar

Pastelão - Omeleta; patanisca; diz-se daquele que é muito lento

Pastor - Palerma

Play-mobil - Polícia; agente da autoridade

Quilhar - Usado como em “vai-te lixar”

Regueifa - Pão redondo; traseiro

Sameira - Carica

Selo - Mancha, sujidade nas cuecas

Sêmea - Rabo de mulher

Sertã - Frigideira

Sostra - Pessoa preguiçosa

Tecla 3 - Anormal (baseado nas iniciais da tecla 3 dos telemóveis, DEF Deficiente)

Toura - Mulher jeitosa

Trengo - Atrasado, apalermado

Tótil - Muito. Versão portuense do “bué”

Vai no batalha - Mentira. Expressão usada para referir algo que não vai acontecer ou não passa de um “filme” (referência ao cinema Batalha)

Vagem - Feijão verde

Vergar a mola - Trabalhar

Xico - Período menstrual

Zequinha - Pessoa meio apalermada

e-max.it: your social media marketing partner
Faixa publicitária