Pingo Doce

Europa impõe novo "muro" a milhões de refugiados

Europa impõe novo

{jcomments on}

A Europa tem medo e, por isso, fecha-se a cadeado. Em 2015 alguns milhões de pessoas, que desesperadamente procuram ajuda, chegaram à Europa.
Vinte e cinco anos depois da Queda do Muro de Berlim, a Europa, designadamente a Hungria, Roménia, Bulgária, Macedónia e, do outro lado, o Reino Unido, erguem um novo “muro”, muito mais significativo porque fecha os olhos, e age, contra o sonho de milhões que, na Europa, apenas procuram voltar a viver.
Perante um evidente adormecimento da opinião pública...

Ver Mais

Tempo de Decisões

Tempo de Decisões Agora que assentou a poeira, embora nem por isso tenhamos muito mais dados ou novidades, pode analisar-se com a distância necessária e prever o futuro próximo sobre a situação do futebol europeu e mundial.
Tive o prazer de, a convite do CIES (Centre International dÉtude du Sport), estar presente em Zurique para o 65º Congresso da FIFA, seguramente um dos mais importantes em toda a história da organização, poucos dias depois de um terramoto de proporções ainda desconhecidas e que assolou as altas instâncias do desporto rei....

Ver Mais

Condições para o sucesso

Condições para o sucesso Portugal e Espanha. Dois países fisicamente agregados. Mas, infelizmente, separados em quase tudo o resto. Vem isto a propósito da construção da nova Cidade do Futebol, vulgo Casa das Seleções, no vale do Jamor, projeto da Federação Portuguesa de Futebol a finalizar na Primavera de 2016. Sinceramente tenho dúvidas sobre se a chamada ‘comunidade futebolística’ já se inteirou da verdadeira dimensão e importância que a edificação desta ideia representará para o futebol português.
Por motivos profissionais,...

Ver Mais

Que Futebol queremos?

Que Futebol queremos? Chegamos a um momento em que é preciso parar para pensar. Num momento onde a sociedade europeia se agarra desesperadamente a movimentos porventura inconsequentes como o Podemos ou o Syriza, movimentos de insatisfação apesar de tudo bem diferentes entre si, é preciso percebê-los (concordando ou não) e fazer o transfer para outros campos. No futebol, como na política, tudo se resume à credibilidade. Que futebol queremos? O risco de chegar a um ponto de não retorno, apesar de tudo, existe. E é preciso fazer valer (ou fazer regressar) os...

Ver Mais

"A Legionella vai matar 36 milhões de pessoas", por Hugo Sousa

Optei por este título para cativar a atenção dos prezados leitores porque, na realidade, não tenho nada de interessante para dizer, mas se esta estratégia resulta com o Correio da Manhã, aqui também vai resultar.
Eu próprio também me deixo levar por títulos sensacionalistas/alarmistas e chamo a atenção para o seguinte: está provado que quase todas as pessoas que se deixam levar por estes títulos sabem (pausa para um momento de suspense…) ler. E saber ler é bom porque se não escrevíamos um lembrete e depois não...

Ver Mais

Crónica de João Seabra

Crónica de João Seabra Sempre que passo na Avenida Fernão de Magalhães, já quase a chegar à Areosa, revejo a minha escola primária, não consigo visualizar bem os meus tempos de escola, parece que vejo tudo enublado, não é que me tenha esquecido, era nevoeiro mesmo, entrávamos na sala e estava ali a professora a bater com os apagadores. Aquilo fazia ficar tanto giz no ar que quando respirávamos, ficávamos com tectos falsos de placas de pladur no céu-da-boca e estalactites calcárias nas fossas nasais. Mas tinha a parte boa, todas as crianças tinham os...

Ver Mais

Crónica de Hugo Sousa

Crónica de Hugo Sousa Antes de mais, quero agradecer à revista Viva o convite para escrever uma crónica nesta prezada edição, embora fizesse mais sentido usá-la para pôr uma senhora sem roupa ao estilo dos pósteres dos anos 80, que os camionistas exibiam na sua cabine. Mas ok.
Estes pósteres fizeram parte de uma geração. Lembro-me que, nessa altura, não era uma prática exclusiva dos camionistas. Era extensível a sapateiros. Durante os meus quatro anos da primária (sim, juro que acabei em 4 anos!) na escola 37, percorria a rua de Costa Cabral...

Ver Mais

Processos e estratégias do envelhecimento em meio urbano, por Cláudia Moura

Processos e estratégias do envelhecimento em meio urbano, por Cláudia Moura A vida na velhice é um acto de liberdade e de escolha, num quadro determinado por coordenadas.

Deixo-vos a pensar… a sociedade actual é confrontada perante o paradoxo do fenómeno do envelhecimento – se o desenvolvimento tecnológico da humanidade, avanço da medicina e da ciência, facilita o aumento da longevidade, também instala a questão: mas, o que fazer com este tempo?
Daí a urgência em transformar tempo em razão e, por conseguinte, em emoção.
A crescente longevidade circunscreve a introdução de novas...

Ver Mais

Viva! no Instagram. Siga-nos.