BPI

Débora Monteiro

Débora Monteiro
Jovem força do Norte

Fazer cinema, estrear-se na área do teatro e ser mãe são os principais desejos de Débora Monteiro, jovem atriz bem conhecida da televisão portuguesa pela ousadia e sensualidade dos papéis que interpretou em diferentes telenovelas. Para esta “mulher do norte”, de alma e coração, o sotaque portuense é uma parte da sua identidade, que não tenciona esconder, independentemente do sítio onde estiver.

Com um gesto firme, descalça as havaianas, assume os saltos altos brancos e desafia a objetiva para um confronto que fica resolvido aos primeiros disparos. A segurança com que posiciona o rosto e a forma como direciona o olhar denunciam-lhe anos de experiência como manequim. “No fundo, só preciso mesmo de me entender com o fotógrafo e tudo é mais fácil”, notou, de sorriso rasgado. Ainda assim, quando o número de exigências é inversamente proporcional à margem de negociação… “está o caldo entornado”. “Tenho um feitio especial: se não gostar de alguma coisa, vou, de certeza, demonstrá-lo”, confessou a atriz Débora Monteiro, conhecida do grande público pelos diferentes papéis que interpretou em várias telenovelas portuguesas.

Natural de Vila Nova de Gaia, a jovem mudou-se para Lisboa pouco depois de completar a maioridade mas jura manter o caráter temperamental das mulheres do norte. É por isso que, agora com 30 anos, faz questão de respeitar a pronúncia da sua terra natal, afirmando-a com orgulho. “No início disseram-me para perder a pronúncia porque revelava o lado do povo. Então, nesse caso, vou juntar-me ao povo e continuar a falar normalmente porque a Débora é assim”, constatou, sem hesitações. Apesar de assumir uma personalidade forte, admite que, por vezes, explode “com muita facilidade”. “Gostava de conseguir dominar-me um pouco mais nessas situações. De resto, sou uma rapariga divertida, genuína, que tem sonhos e tenta alcançá-los”, sublinhou.

Da moda ao sonho “inalcançável” de conquistar a “caixa mágica”
Na verdade, Débora estava longe de imaginar que o rumo da sua vida poderia ser transformado, logo aos 14 anos, graças a um ultimato feito pela irmã. Abordada na rua por uma agência de modelos, Soraia Monteiro foi convidada a realizar um curso de manequim, desafio que se comprometeu a aceitar no caso de poder ser acompanhada por Débora. “Disseram-lhe que precisavam de me ver para perceber se realmente fazia sentido apostar em mim e, entretanto, aceitaram e tirámos as duas o curso”, contou a atriz. Apesar de terem começado a dar os primeiros passos no mundo da moda na mesma agência, o percurso das irmãs Monteiro acabou por se separar. “Ela ficou agenciada num sítio e eu noutro porque, na altura, já tinha algumas curvas e havia uma certa tendência para mulheres muito magras”, explicou. Nos anos seguintes, o bichinho da moda foi-se desenvolvendo, aperfeiçoando-se em cada campanha publicitária realizada. “Nunca tive problemas em fazer desfiles e sessões fotográficas. Divertia-me com o que fazia e, por isso, nunca tive preconceito ou vergonha desta profissão”, garantiu.
Entre os trabalhos preferidos de Débora Monteiro estavam as publicidades que incluíam texto falado. “Na altura, achava-as o máximo porque a publicidade era bem paga e, se tivesse de falar, ganhava ainda mais”, frisou, bem disposta. No entanto, a escolha dos trabalhos era feita de forma criteriosa, mesmo contra a vontade das agências. “Só ia aos castings se achasse que valia mesmo a pena. Tinha de ir com a sensação de que ia ficar com o trabalho, se não nem saía de casa”, garantiu. Entretanto, a jovem decidiu mudar-se para a capital, com a “desculpa” de que iria fazer formação na área do desporto. “Como era manequim pensei: ‘bem, vou para Lisboa, onde há mais oportunidades, e, como os ginásios são caros, tiro um curso de instrutora de fitness e junto o útil ao agradável”, contou. Assim foi. No entanto, a insistência dos realizadores de publicidade acabou por abalar os objetivos da jovem modelo. “Perguntavam-me por que é que não enveredava pelo caminho de atriz e diziam-me que devia tentar. Aquilo ficou-me na cabeça, mas parecia-me algo impossível, inalcançável”, sublinhou. Contudo, o improvável acabou por acontecer e Débora conquistou um papel em “Tempo de Viver” – telenovela portuguesa, transmitida em 2006, na qual vestiu a pele de Helena, uma acompanhante de luxo que mantinha uma relação com um homem mais velho.
Agora, à distância do tempo, é com saudade e boa disposição que a atriz recorda a sua estreia televisiva. “Coitadinha de mim! Eu tinha noção de que não estava a 100%, era uma miúda, não tinha as bases necessárias para trabalhar como atriz”, reconheceu, realçando que as palavras de incentivo dos realizadores foram fundamentais para que tivesse a certeza de que a sua carreira não terminaria ali. Dois anos depois, em 2008, participou na série juvenil “Morangos com Açúcar”, interpretando o papel de Bruna, “uma miúda tranquila e romântica” que geria um bar na praia, em Odeceixe.
“Para mim foi uma experiência maravilhosa. Só fiz a série de verão, por isso, foram só três meses, mas diverti-me como nunca. Acabou por ser uma aprendizagem. Pensava que os atores vinham da série anterior de nariz empinado e foi precisamente o contrário”, reconheceu.

Desafiar os limites da sensualidade
Em 2009, um novo desafio viria a marcar, para sempre, o percurso da atriz, que teve oportunidade de participar no filme “Duas Mulheres”, de João Mário Grilo, contracenando com Beatriz Batarda, Nicolau Breyner e Virgílio Castelo, entre outros. “Estava muito nervosa por contracenar com a Beatriz, sobretudo porque tinha vindo dos ‘Morangos com Açúcar’ e, por isso, estava um pouco catalogada quando cheguei à equipa de cinema. Depois, nós as duas tivemos cenas muito ousadas, em que estávamos expostas fisicamente, e tivemos de descomplicar. Juntámo-nos e pensámos: ‘isto é um trabalho de equipa, vamos defender-nos uma à outra’”, contou a jovem, admitindo que, hoje, quando vê o filme, tudo parece mais simples.
Para a telenovela “Dancin’Days” (2012), Débora Monteiro viu-se de novo com uma tarefa de elevada responsabilidade em mãos: a de testar os limites da sua sensualidade no papel de uma stripper. Para conseguir estar à altura das exigências de cada cena, a atriz teve aulas de dança no varão, experiência que acabou por mudar radicalmente a forma como encarava a profissão destas mulheres. “Surpreendeu-me sobretudo o grande preconceito que ainda existe em relação às strippers que, se formos ver, são pessoas com mais formação, mais cultas e viajadas do que eu”, defendeu.
Apesar de se considerar uma mulher sensual, reconhece que dar vida àquela personagem foi bastante difícil. “Mesmo já tendo trabalhado como manequim e já tendo estado mais exposta fisicamente em capas de revistas [foi capa da Maxmen em 2010, por exemplo], ter de dançar à frente da equipa inteira que, juntamente com figurantes, perfaz cerca de 50 pessoas, foi o mais complicado. De repente comecei a tremer e nem me conseguia equilibrar”, contou, entre gargalhadas.
Mas antes disso, Débora teve “uma das melhores experiências” da sua vida no programa de televisão “Último a Sair” – sátira aos ‘reality shows’ na qual participou ao lado de, por exemplo, Bruno Nogueira, Rui Unas, Roberto Leal e Luciana Abreu. Apesar de se sentir intimidada por figuras já bem conhecidas da comédia, a atriz decidiu arriscar tudo e fazer o melhor uso possível da improvisação. Na altura dos castings, foi-lhes pedido que discutissem a propósito… de um pedaço de pão, situação que a jovem resolveu, de imediato, à boa moda portuense. “Usei algumas expressões que se utilizam no Porto porque há pessoas que gostam muito de ficar com o ‘cu da regueifa’, que é a parte mais saborosa”, brincou. Certo é que a atriz convenceu a equipa e foi admitida no programa, durante o qual protagonizou uma das cenas mais apreciadas pelo público – a da “coreografia sexy do Unas”.

“Gostava de voltar a viver no Porto se pudesse continuar a fazer o que gosto”
Admiradora dos genes do Porto – que são tão seus – a atriz confessa que gostaria de voltar a viver na sua cidade natal se não tivesse de interromper os projetos profissionais. “Neste momento, sinto que não conseguia regressar porque o meu dia a dia é aqui [em Lisboa]. Se conseguisse juntar os dois mundos seria maravilhoso”, reconheceu, com um brilho diferente no olhar.
Da sua infância em Vila Nova de Gaia guarda as recordações de poder brincar na rua e o carinho do senhor Pinho, da mercearia lá da zona, que ainda hoje a trata por “filha”. “Sinto falta de andar na rua e cumprimentar os vizinhos, das comidas da minha mãe e do hábito de ir tomar café, à noite, com os amigos, que é algo que cá não fazemos, durante a semana”, enumerou. À mulher do norte reconhece um lado sincero, genuíno e, muitas vezes, impulsivo, capaz de magoar os que não estiverem habituados a semelhante temperamento.
Mas uma das características que mais aprecia nos portuenses é o facto de serem despachados e de estarem sempre prontos a arregaçar as mangas para lançar mãos à obra. Os passeios pela Ribeira e pelo Palácio de Cristal, as idas com a mãe ao Mercado do Bolhão e os momentos passados com a irmã no Solar do Vinho do Porto, onde descobriu o Porto branco, são lembranças que a deixam feliz. “Ao lado do Bolhão existe uma casinha de enchidos com umas morcelas doces maravilhosas! Tínhamos de ir sempre lá!”, contou, reconhecendo que a gastronomia é uma das suas perdições, razão pela qual tem o congelador repleto de alheiras de Mogadouro.
Apesar de se deslocar ao norte sempre que pode, o dia a dia de Débora Monteiro passa irremediavelmente por Lisboa, onde desenvolve todo o processo de construção das suas personagens, inspirando-se não só em conhecidos nomes do cinema, como Cate Blanchett e Meryl Streep, mas também nas suas vivências, memórias e emoções. Vestir a pele de diferentes pessoas é, para a jovem, a parte mais divertida do seu trabalho, que pode, contudo, ser bastante desgastante. “Às vezes, no final das gravações, chego a casa e sinto-me completamente exausta. Muitos atores, sobretudo os mais velhos, dizem que é preciso saber ‘desligar’. Eu acho que ainda não sei e isso mexe comigo para o bem e para o mal”, contou. Se, num dia, tem de gravar cenas mais emotivas, Débora sente necessidade de “preparar esse sofrimento” com alguma antecedência, numa espécie de “trabalho interior”.
Outra dificuldade que associa à profissão é a instabilidade a que os atores estão sujeitos em Portugal. “Somos muitos para um país tão pequeno, temos poucos direitos e toda a gente pensa que somos ricos, esquecendo-se de que temos fases muito instáveis”, frisou. No entanto, mudar-se definitivamente para outro ponto do globo nunca fez parte dos planos da gaiense. “Temos um país maravilhoso em termos de gastronomia, paisagens e pessoas”, defendeu, referindo estar confiante de que a situação económica nacional vai melhorar.
Os momentos de pausa são aproveitados para sessões de treino no ginásio, passeios com o namorado e idas ao cinema. Viajar é outra das paixões da atriz, que esteve, recentemente,de férias no Brasil. Com uma lista de prioridades bem definida, Débora sabe o que tem de fazer para alcançar a realização profissional e pessoal: voltar a fazer cinema, aventurar-se no teatro, que ainda a intimida, e, definitivamente, ser mãe. “Ando a ser egoísta porque coloco sempre o trabalho à frente do resto e quero muito ser mãe”, confessou, revelando já ter alguma experiência com miúdos, graças aos sobrinhos. Certo é que, nos próximos meses, o desejo da atriz terá de continuar em suspenso ou não fosse ela uma das caras da próxima telenovela da SIC, que ainda permanece no segredo dos deuses.

Viva! no Instagram. Siga-nos.