BPI

Já são conhecidos os vencedores do Prémio João de Almada 2019

Já são conhecidos os vencedores do Prémio João de Almada 2019

A requalificação de três edifícios contíguos (dois na Rua do Almada e um na Rua de Alferes Malheiro), assinados pelo gabinete Figueiredo + Pena, Arquitectos, venceu na categoria “Edifícios Residenciais”. Já o prémio da categoria “Edifícios Não Residenciais” foi atribuído ao projeto de reabilitação “Casa Rosa” Hotel, da autoria do arquiteto Nuno Graça Moura.

O Prémio João de Almada foi criado pela Câmara do Porto para incentivar e promover a recuperação do património arquitetónico da cidade e, segundo aponta o portal de notícias da autarquia, a 18.ª edição do concurso recebeu um recorde de 33 candidaturas, “o número mais elevado de concorrentes desde a instituição do Prémio há 30 anos”.

O júri decidiu atribuir o primeiro lugar na categoria “Edifícios Residenciais” ao projeto de reabilitação da autoria do gabinete Figueiredo + Pena, Arquitectos, para o edifício da Rua do Almada, 554/556 e Rua Alferes Malheiro, 163, por entender que “constitui o melhor exemplo de reabilitação entre as obras concorrentes na categoria homóloga”. O júri considera ainda que o projeto “apresenta qualidades em todas as vertentes da análise arquitetónica, demonstrando um particular cuidado na recuperação dos valores patrimoniais e na reinterpretação das tipologias originais, assim como na execução das ampliações modernas que demonstram uma sábia leitura no conhecimento arquitetónico, urbanístico e histórico da envolvente”.

Segundo o Porto., o prémio tem um valor pecuniário de 10.000 euros, correspondendo 7.000 euros ao gabinete Figueiredo + Pena, Arquitectos, e 3.000 euros ao proprietário do imóvel, neste caso Red Crown, Sociedade Unipessoal, Lda.

O projeto de reabilitação do edifício da Rua da Alegria, 71, denominado “Casa Rosa” Hotel, venceu na categoria “Edifícios Não Residenciais”, uma vez que esta obra “põe em evidência um conhecimento profundo do edifício pré-existente construído nos finais dos anos 40 do século XX”. O júri considera que todas as alterações efetuadas na intervenção, da autoria do arquiteto Nuno Graça Moura, Arquitetura Lda, “manifestam um desenho arquitetónico que evita ruturas e assume as continuidades dos valores presentes no edifício”.

O galardão tem também um valor pecuniário de 10.000 euros, correspondendo 7.000 euros ao arquiteto Nuno Graça Moura, Arquitetura Lda., e os restantes 3.000 euros à Incredible Place, Unipessoal, Lda, proprietária do imóvel.

Tendo em conta a qualidade, caráter exemplar e pedagógico, as boas práticas identificadas e escolha adequada dos materiais nas intervenções de reabilitação analisadas, o júri decidiu ainda atribuir Menções Honrosas, sem valor pecuniário, a outros projetos: a Habitação na Rua do Rosário, 307 (projeto de reabilitação da autoria dos arquitetos DEPA Architects + Margarida Leitão), o Imóvel na Rua do Padre Fernão Cardim, 10 (projeto de reabilitação de aNC Arquitetos), o Reservatório da Pasteleira ( projeto de reabilitação do Atelier 15 – Arquitetos Alves Costa e Sérgio Fernandez) e o Edifício dos Albergues Nocturnos do Porto (projeto de reabilitação da autoria dos arquitetos Nuno Valentim e Frederico Eça).

Foto: DR

PUB
lerlevanosmaislonge.pingodoce.pt/?utm_source=vivaporto&utm_medium=banner&utm_term=banner&utm_content=240919-maislonge5&utm_campaign=lermaislonge

Viva! no Instagram. Siga-nos.