Pingo Doce

Vinte Minutos, Rivoli

Vinte Minutos, Rivoli

Vinte Minutos
27 setembro, 19h | 28 setembro, 17h, Rivoli Teatro Municipal

“Vinte Minutos” é um projeto do Teatro Municipal do Porto desenvolvido durante o ano letivo de 2019/2020, envolvendo os alunos finalistas das seguintes escolas artísticas do Porto: ACE – Escola de Artes; balleteatro; ESAP – Escola Superior Artística do Porto; ESMAE – Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo. Tem como objetivo principal apresentar novas criações desenvolvidas exclusivamente por alunos e com a participação dos mesmos.

La fiesta
27 setembro, 21h, Rivoli Teatro Municipal

Depois do Porto ter descoberto FLA.CO.MEN na temporada de 2016/2017, no Teatro Rivoli, Israel Galván, um dos grandes inovadores do flamenco atual, regressa a este palco para fazer, literalmente, “La fiesta”.
Herdeiro da escola sevilhana, Galván percorreu os quatro cantos do mundo como bailaor até decidir experimentar, teatralizar, reinventar o flamenco. Na sua opinião apenas se “alteraram as sílabas”, sem nunca sair do mesmo território desta dança, da sua memória, alargando a possibilidade de códigos que a encerram. Mas “La fiesta” traz um golpe de face. O premiado artista decide agora regressar à essência, à sua infância, um círculo de vida que se fecha “como se tivesse viajado centenas de quilómetros de distância para voltar ao ponto zero.” De volta aos tablaos onde os seus pais dançavam, às saias rodadas, às peinetas que se desmancham no final da exibição, a energia desta festa começa pelo final da própria festa: quando se trocam papéis, quando se brinca a uma dança que não é para ser vista. A energia contagia o público através da música, que conta com a colaboração do coro grego Byzantine Ensemble Polytropon e evidencia o sentimento trágico da vida e os seus lamentos, através do movimento que se sente mesmo de olhos fechados. Do virtuosismo e tradição à quebra dos cânones e da liberdade da dança, “La fiesta” é um “espetáculo como especta culos”, diz o velho trocadilho espanhol. O público é convidado a vibrar e, sobretudo, a desvendar os enigmas desta festa de recordações pessoais e coletivas. (Foto: © Laurent Philippe)
Conceção, direção artística e coreografia Israel Galván
Elenco Israel Galván, Jesús Aguilera, Eloísa Cantón, Emilio Caracafé, Ramón Martínez, Niño de Elche, Alejandro RojasMarcos Uchi, com a colaboração de Byzantine Ensemble Polytropon, direção musical de Panagiotis Andriopoulos, vozes de Panagiotis Andriopoulos, Charalampos Kalapanidas, Roni Bou Saba e Dimitrios Karadimas

Niño de Elche
27 setembro, 23h, Rivoli Teatro Municipal

O flamenco é sempre um canto de ida e volta.
Esta expressão espanhola refere-se a uma seleção específica do cancioneiro flamenco que “regressou” da América Latina (sobretudo de Cuba), quando as tradições musicais espanholas e os ritmos trazidos por escravos africanos e nativos americanos se transformaram em novas formas, as quais foram reintroduzidas em Espanha com uma estrutura rítmica diferente e características mais suaves do que o flamenco tradicional. Não apenas guajiras ou milongas, mas também a soleá e a seguiriya, romances, cabales, peteneras e pregones no vasto Caribe afro-andaluz. E o fandango, naturalmente. Esta viagem de ida e volta é a mesma do açúcar, café, cacau e rum de cana, mas foi interrompida entre 1810 e 1898 e a música flamenca voltou a ser o que era antes. Com este novo álbum, “Colombiana”, Niño de Elche procura dar continuidade a essa relação que era tão fluida, tão frutífera, tão florescente. Apesar de, desta feita, não se tratar de arqueologia, mas antes de antecipação: aqui encontramos o flamenco que vem a caminho. O flamenco do futuro está ao virar da esquina. Desde os seus primeiros álbuns (“Strates”, “Sí, a Miguel Hernández” e “Voces del Extremo”), o reconhecimento do autodenominado ex-flamenco validou projetos transgressores como o seu último álbum, “Antología del Cante Flamenco Heterodoxo” (Sony, 2008). Niño de Elche conseguiu igualmente juntar forças com numerosos artistas oriundos de diversos géneros e disciplinas, tais como a banda de rock instrumental Toundra, com quem tem o projeto de colaboração Exquirla, o bailarino de flamenco Israel Galván, com quem criou o espetáculo transdisciplinar “Coplas Mecánicas”, ou a banda do sul de Espanha Los Planetas, com quem partilha o novo projeto Fuerza Nueva. (Foto: © Alvaro Perdices)

Understage: Favela Discos
28 setembro, 22h30, Rivoli Teatro Municpal

A Favela Discos ocupa o palco “Understage” do Rivoli para apresentar “2013: O Regresso”, uma Ficção-Científica-Operática em três atos, que irá decorrer também noutros 30.000 universos paralelos.
Este espetáculo transportará os espectadores através de um percurso extra-temporal pelo multiverso onde alguns dos maiores mistérios da humanidade serão postos a descoberto – Onde estamos? Como viemos aqui parar? Onde deixei o carro? Que horas são? Hmm?
Dr. David Machado, dep. Psicanálise 4D
Dr.ª Dora Vieira, dep. Sociologia Planetária
Dr.ª Inês Castanheira, dep. Holografia Metassemiótica
Dr. João Sarnadas, dep. Fundição Hermética
Dr. Engº João Pedro Ferreira, dep. Engenharia Quântica
Dr. Nuno Oliveira, dep. Cartografia Espacial
Dr. Tito Silva, dep. Física Aplicada
Dr. Xavier Paes, dep. Auto Química

Teatro Municipal Rivoli
Praça D. João I
4000-295 Porto
Tel. 223 392 200

Viva! no Instagram. Siga-nos.