Recheio

U.Porto no topo dos principais motores de inovação em Portugal

U.Porto no topo dos principais motores de inovação em Portugal

Segundo o Relatório Anual do Instituto Europeu de Patentes 2018, Portugal submeteu, nesse ano, um número recorde de 220 pedidos de patente europeia, sendo que 17 têm o carimbo da Universidade do Porto.

“Os números, que constam do último relatório anual do European Patent Office (EPO reforçam o estatuto da U.Porto – incluindo faculdades e Institutos Associados – como um dos principais motores de inovação a nível nacional”, aponta o portal de notícias da instituição portuense.

Das 17 patentes apresentadas pela Universidade, seis foram geridas pela U.Porto Inovação e referem-se a tecnologias inovadoras desenvolvidas por investigadores das faculdades de Ciências (FCUP), Engenharia (FEUP) e Farmácia (FFUP), entre as quais um dispositivo agrícola – o CROPEO – que permite manter cereais e sementes armazenados em silos livres de fungos e insetos; uma turbina triboelétrica que gera energia elétrica em locais remotos e que pode ser incorporada em redes de água ou canalizações; ou um dispositivo para medir força e energia musculares.

Já os pedidos de patente realizados pelos institutos associados da U.Porto, destaque para o INESC TEC, com nove, abarcando as áreas das telecomunicações, tecnologia médica e tecnologia audiovisual. Também o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) apresentou dois pedidos de patente: um composto para uso na prevenção e tratamento de infeções por pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) e uma metodologia para a produção de moléculas alvo utilizando cianobactérias.

Em termos nacionais, 2018 foi o melhor ano de sempre para Portugal, com a submissão 220 pedidos de patente, mais 71 (subida de 46,7%) do que no ano anterior, sendo o terceiro país com a maior taxa de crescimento face a 2017.

No ranking de instituições portuguesas mais inovadoras, a liderança cabe ao INESC TEC (9 patentes), seguido pela Novadelta (7), pelas universidades do Porto (apenas unidades orgânicas) e de Évora e pelas empresas Miranda & Irmão e OLI – Sistemas Sanitários, todas com seis pedidos.

No que diz respeito aos países que apresentaram mais pedidos de patente na Europa, Portugal ocupa o 35.º lugar. A lista é liderada pelo Estados Unidos (25% dos pedidos), seguindo-se a Alemanha (15%), o Japão (13%), a França (6%), a China e a Suiça. (5%). Já entre as empresas mais inovadoras, a alemã Siemens surge no topo com 2493 pedidos, seguida da chinesa Huawei, das sul-coreanas Samsung e LG e da norte-americana United Technologies.

De referir ainda que Universidade do Porto submeteu mais de 40 pedidos de extensão de patente internacional em territórios como Europa, Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul.

Viva! no Instagram. Siga-nos.