Pingo Doce

Maria Bethânia, Coliseu do Porto

Maria Bethânia, Coliseu do Porto

Maria Bethânia
14 setembro, 21h30
“Claros Breus “tem muitas canções inéditas, algumas inéditas na sua voz, músicos que tocam com Maria Bethânia pela primeira vez e também nova direcção musical e arranjos. Neste novo espetáculo, Bethânia quis fazer diferente, mostrar as músicas inéditas ao público antes de as gravar em disco. Os temas são de Adriana Calcanhoto, Chico César, Roque Ferreira e Flávia Wenceslau, mas também de Lenine, Suely Costa, Chico Buarque (inédita na voz dela) e Caetano, entre outros.
Ao seu lado, o maestro baiano Letieres Leite (direção musical e arranjos), Jorge Hélder, contrabaixo e o único que já trabalhou com Bethânia antes, Carlinhos 7 Cordas nos violões de 6 e 7 cordas, Pretinho da Serrinha nas percussões acústica e electrónica e, os também baianos, Marcelo Galter no piano e sintetizadores e Luisinho do JêJe nas percussões acústica e electrónica. A direção e cenário é de Bia Lessa, o desenho de luz de Binho Schaefer e Bia Lessa e o figurino de Maria Bethânia é assinado por Gilda Midani.
O espetáculo estreia em São Paulo em agosto e, depois das apresentações em Portugal, segue em digressão pelas principais capitais brasileiras, como Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife.

Circum-navegações
28 setembro, 21h30
O Coliseu Porto Ageas abre novamente as portas à Orquestra Metropolitana de Lisboa para levar o público numa viagem musical, em celebração dos 500 anos da primeira volta ao mundo, iniciada por Fernão de Magalhães em 1519.
“Circum-navegações” tem como derradeiro destino o continente americano. Não aquele que Fernão de Magalhães viu no século XVI, mas sim a Nova Iorque de 1892, para onde emigrou o compositor Antonín Dvořák, e cuja viagem o inspirou a criar a “Sinfonia do Novo Mundo”. Um hino à descoberta de novos mundos e culturas.
Antes, visita-se o génio do compositor espanhol Joaquín Rodrigo, cuja obra mais emblemática é o “Concerto de Aranjuez”, inspirado num passeio idílico do músico pelos jardins do Palácio Real de Aranjuez. Também será interpretada uma das suas últimas criações, “Palillos y panderetas”, onde baquetas e pandeiretas nos transportam até às margens do rio Manzanares, que atravessa Madrid. Na guitarra estará o solista portuense João Diogo Leitão, vencedor do Prémio Jovens Músicos.

Yann Tiersen
30 setembro, 21h30
O criador das bandas sonoras de “Adeus Lenin” e “O Fabuloso Destino de Amélie” regressa a Portugal para dois concertos memoráveis.
Dia 29 de setembro no Campo Pequeno, em Lisboa, e dia 30 de setembro no Coliseu do Porto, Yann Tiersen levará o público numa viagem sensorial e envolvente pelo seu mais recente álbum “ALL”.
“ALL” é o álbum que sucede “EUSA” e o primeiro a ser gravado no novo estúdio do músico – o centro comunitário The Eskal, construído numa discoteca abandonada em Ushant, uma pequena ilha no Mar Celta entre a Bretanha e a Cornualha, também casa de Tiersen nos últimos 10 anos. Composto por temas envoltos no meio ambiente e na conexão com a natureza, “ALL” incorpora gravações fora da Bretanha como nas florestas de sequóias da Califórnia, na área do aeroporto de Tempelhof (em Berlim), além de artistas convidados.

Nick Murphy FKA Chet Faker, Run Fast Sleep Naked
2 outubro, 21h
Nick Murphy, anteriormente conhecido como Chet Faker, regressa a Portugal em outubro para dois concertos memoráveis, nos quais apresenta o seu mais recente álbum, “Run Fast Sleep Naked”.
Foram precisos quatro anos a viajar pelo mundo, com apenas um microfone e uma mala, para Nick Murphy nos brindar com mais um álbum estrondoso, inspirado em locais e ambientes por onde passou.
Depois de vários espetáculos esgotados, alguns dos quais em Portugal, o artista australiano que já conquistou o público e a crítica atua no Coliseu Porto Ageas a 2 de outubro.
Recentemente, o artista juntou-se ao projeto PLUS1, uma solução que procura ser um catalisador da mudança social e cultural através da igualdade, dignidade e acesso a todos. Neste sentido, 1€ do valor de cada bilhete reverterá para organizações que façam parte desta missão.

Rir Ajuda
3 outubro, 21h
A Fundação do Gil apresenta a segunda edição do espetáculo de stand up comedy solidário realizado em Portugal.
O “Rir Ajuda” terá lugar dia 3 de outubro, no Coliseu Porto Ageas, e conta com a participação de nomes comoAlexandre Santos, Ana Arrebentinha, Fernando Rocha, Guilherme Duarte, Jel, João Seabra, Miguel 7 Estacas, Nilton e Rui Xará.
A totalidade da receita de bilheteira irá reverter desta vez, para a manutenção do projeto Cuidados Domiciliários Pediátricos em parceria com o Hospital São João e Centro Materno Infantil do Norte (CMIN). (Na 1ª edição, a receita de bilheteira reverteu para a construção do Pavilhão “Lugar dos Eventos”, que irá permitir trabalhar a sustentabilidade da Fundação, disponibilizando o espaço à sociedade civil e ao setor empresarial).

Toquinho
9 outubro, 21h30
Começou em 1959, em plena Bossa Nova. O fascínio com a forma como João Gilberto interpretava “Chega de Saudade” no seu violão, inspirou Toquinho a aprender a tocar o instrumento e nos anos 60 tocou ao lado de nomes como Tayguara, Chico Buarque, Elis Regina, Gal Costa, Caetano Veloso, Maria Bethânia, Paulinho da Viola, entre muitos outros.
A amizade com Chico Buarque deu-lhe a sua primeira parceria musical e “Lua Cheia” foi a sua primeira composição. Nos anos 70, juntou-se a Vinicius de Moraes e a Maria Creuza, na boate La Fusa, em Buenos Aires. Desta relação “nasceram 25 álbuns e milhares de concertos pelo mundo.
Ao longo destes 50 anos de carreira, ressalvam-se também as colaborações com Jorge Benjor, Gianfrancesco Guarnieri, Carlinhos Vergueiro, Mutinho, Elifas Andreato, Paulo Cesar Pinheiro, Francis Hime, Paulinho Nogueira, Cacaso, Eduardo Gudin, Antonio Skármeta, Sadao Watanabe, entre outros, totalizando, entre as de sua autoria, ou de música e/ou de letra, aproximadamente 400 canções registadas em mais de 86 discos e cerca de 10.000 espectáculos.
Em 2009, Toquinho realizou o seu sonho de cantar com Andrea Bocelli. A convite do tenor italiano, no dia 21 de abril cantaram juntos no Parque da Independência, em São Paulo, para um público de mais de 25.000 pessoas. E em 2010 assinou a versão brasileira de CATS, em português, e com um toque da sonoridade brasileira, sem desvirtuar o original.
Cantor, instrumentista, compositor, Toquinho assume o violão como um prolongamento de si próprio, exigindo-se sempre mais e melhor e quase se fundindo numa só entidade, madeira com pele, cordas com coração, cumprindo o seu lema de “Só tenho tempo de ser feliz!”.
Em outubro, regressa a Portugal para celebrar a vida e os seus 50 anos de carreira!

Coliseu Porto Ageas
Rua Passos Manuel, 137 – Porto
Tel. 223 394 940 | Fax 223 394 949 | Info/Reservas 707 234 234 www.coliseudoporto.pt

Viva! no Instagram. Siga-nos.